quinta-feira, 15 de junho de 2017

Medellín: El cielo está na terra colombiana

Fomos conhecer o recomendado El Cielo um restaurante conceito que valoriza os ingredientes colombianos dirigido pelo chef Juan Manuel Barrientos.

Posso dizer que o lugar faz jus a fama. Ambiente agradável, delicado e rústico, na medida exata para que você se sinta acolhido e mimado.

O menu degustação é oferecido em duas opções, 9 e 13 pratos. Escolhemos o menor e foi mais do que suficiente para apreciar os sabores locais em uma proposta moderna.
Começamos com um bolinhos frito muito delicado, a base de milho um pouco adocicado que foi recheado com um creme frio e salgado. Uma explosão de sabores que veio em uma cumbuca rústica arromatizada com um ramos de erva.

O segundo prato também era uma entradinha com três sabores locais. Uma tortilha con creme de gorgonzola e pimenta doce. Um chips de morcilha (sim aquela linguiça com sangue). Por último um empanadinho de batata bem crocante.

Além da comida o local tem uma proposta sensorial muito bacana. E neste ponto que começou a surpresa. Recebemos uma bandeja linda e perfumada com pedras feitas de hidratante encapsulado que ao ser quebrando podia ser manipulado com um pó com aroma de chocolate. Depois de brincar com o creme os garçons lavaram nossas mãos com água bem morninha. Uma delícia!

Seguimos com a última entrada, uma sopa de espinafre muito leve que foi enfeitada com um pedaço de batada coberta em carvão. Foi  acompanhada de pães, uma geleia de fritas amarelas, mantega defumada e um molho picante.
 

Nesta hora passamos aos principais começando com um raviole de milho e ervilha com molho de milho e cinzas. Sim, as cinzas combinam muito bem.neste prazo deixando um sabor leve de assado.

Seguimos com o peixe branco do dia, coberto de uma pastinha de champignon e uma espécie de maionese local bem temperada que estava muito boa, pena que só decorava o prato. Eu queria mais!

Chegou a hora do prato preferido da noite. Um pedaço de porco, cozido por 24 horas e acompanhado de um.molho de tamarindo. Tudo isso decorado com borboletas em homenagem a obra 100 Anos de Solidão do mais famoso escritor colombiano Gabriel Garcia Marques. Simplesmente lindo!

E depois de tudo isso começam as sobremesas que mantém o padrão de beleza e sabores. O primeiro é um sorvete de manteiga com palitinhos doces e crocantes, muito leves.

Seguido de um creme de chocolate meio amargo e um sorvete que não sei de que que era azedinho e casava muito bem com os biscoitinhos doces que usamos para comer.

O último era uma brincadeira divertida onde uma bolachinha recheada chamada cuca é usada para completar a frase. Muito bom humor!

Para fechar, um merengue feito no nitrogenio bem refrescante e uma petala de rosas traz um hidratante muito delicado para as mãos e somos presenteados com o café do chefe para degustar em casa! Com certeza iremos lembrar deste jantar quando tomarmos o nosso café!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou? Tem uma história sobre o assunto? Comente aqui: